Tuesday, November 26, 2013

Lulu vs GoldieBlox: Goldieblox wins.



Eu fiz questão de não me pronunciar sobre o tal do Lulu porque eu sabia que essa discussão só ia me trazer a irritação usual e não ia me servir de nada. Machismo é um problema estrutural. A  gente vive imerso nessa merda e lida com ele diariamente, faz tanto tempo que ninguém percebe mais o quanto ele permeia quase todo detalhe da vida.
Todo santo dia começa com você pensando sobre o que os outros vão pensar e como vão te julgar se você vestir isso ou aquilo. Se você retrucar alguém numa discussão. (retrucar é coisa de lésbica agressiva , foi o que me disseram, mesmo quando alguém te ofende) Gritar também, gritar é pior ainda, segundo alguma lista aí na internet, gritar é coisa de mulher histérica.  E antes de você dormir , lembre de tomar o anticoncepcional e usar o creminho anti rugas.  Todo dia a mesma merda, e isso são só as mazelas mais básicas de classe média sofrismo bunda branca e bem alimentada. Ao menos eu posso andar na rua mostrando meu cabelo sem correr o risco de ser apedrejada.

Eu posso contar nos meus dedos o número de vezes que eu interagi socialmente com alguém sem que o formato das minhas gônadas fizesse muita importância, e a maioria delas foi jogando journey.

Parei de ler os blogs feministas e não fui atrás de saber muito ou me pronunciar sobre as últimas comoções tais quais a que esse lulu causou. Ando com uma certa preguiça de discutir com gente que eu não conheço, que não me interessa, que não me importa.
O principal problema parece ser, que além de ter opiniões idiotas, gente adulta não muda de opinião fácil. E ninguém entra mais em discussão pra aprender, é sempre pra ganhar - Toma, ganhei mais likes que você. Sou foda.

 Por vezes eu acho que eu teria mais prazer em dialogar com uma criança do que com um adulto, porque crianças são mais sinceras, mais abertas a aprender e muitas vezes te ensinam coisas sem nem você perceber. Foda é que eu geralmente não gosto muito de crianças, ou elas nao gostam de mim (acho que é porque elas não fumam o suficiente) .
Talvez seja também porque elas já vem embutidas com as opiniões idiotas dos pais. E no geral me parece que elas não andam dotadas de muita educação. Sim, eu e meu irmão aprontávamos das nossas e já derrubamos uma pilha de latas fazendo kart racing com o carrinho no supermercado, mas eu não consigo me lembrar de uma única ocasião em que a gente levantou a voz pra um estranho ou, god forbid,  gente mais velha. Enfim. No geral quando as crianças tem o mínimo de educação e pais legais, e ainda não se apavoraram com a camisa do slayer, elas me proporcionam conversas ótimas.

Escrevi toda essa lenga lenga, pra confessar que esse vídeo aqui me fez escorrer uma lagriminha de emoção (leia-se, chorei que nem uma criancinha). Dá quase vontade de ter uma filha. (eu disse quase). Me deixa muito feliz de saber que enquanto eu estou viva tem um troço assim acontecendo. Me lembra que o fato de ter brincado de lego várias vezes com meu irmão, tinha vários brinquedos de montar naquela época, tinha um de montar estruturas com tubinhos e estrelinhas de plastico que era um inferno de dificil mas era tao legal. E jogos de videogame de estrategia tambem. Goof troop. Final Fantasy. Bubble Bubble. Sim City. E street fighter! Como tudo isso me fez uma pessoa mais crítica e mais criativa. Bom, eu tinha umas barbies também. cof. Mas no geral elas estavam lá, sendo a motorista de fuga dos comandos em ação. Era sempre tudo meio misturado.

ah, alegria de ver o primeiro barco brotando do éter no oceano de pixel azul.


Coisas como O lulu não vão reverter situação nenhuma. Mas se não dá pra consertar mais a sua cabeça de merda, pelo menos compre brinquedos interessantes pros seus filhos/filhas e não transmita suas opiniões imbecis sobre "guerra dos sexos" pra eles/elas. Quem sabe no futuro vai existir gente mais interessante pra dialogar, do alto da minha cadeira de rodas.

No comments: